O Silêncio do Poeta

À noitinha, na praia, a lua brilhou
Leiteando os contornos alquebrados
Até a salsugem se quedou ao prateado.
Uma gaivota ia passando… E voltou!

 

Um artista se enamorou de um violão
Um coqueiro chamou o vento pra dançar
O sol nem tinha mais hora pra chegar:
A fantasia se anteviu à ilusão!

 

Veio uma sereia rendida e enfeitiçada
A beleza em cada palmo se encravou
Acreditando que um sonho não se apaga

 

A poesia ali na praia se implantou
Um poeta assistiu a tudo e não disse nada…
Mesmo assim, a lua brilhou!

Paulo Roberto Coelho Ximenes

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

QUEM ESCREVE

ALTINO FARIAS

Brasileiro, 57 anos, curto carros antigos, boa música, praia e encontros com amigos para “bebemorar” a vida. Discutir e expressar ideias são grandes prazeres, e a escrita tem o dom de dar forma permanente ao que se pensa.

Os comentários estão desativados.