Lua Cheia

Fritou três tainhas frescas, fez carpaccio de maçã temperado com sumo de limão e, sem derramar, encheu uma meiota com empalhada. Só de cueca, surrada, abancou-se na varanda do seu claustro, no Tibete, em reverência a lua cheia, o voo das rasga-mortalhas, o uivo dos cães e o silêncio humano. Quando adormeceu, Melodia ainda tocava na radiola.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

QUEM ESCREVE

ALTINO FARIAS

Brasileiro, 57 anos, curto carros antigos, boa música, praia e encontros com amigos para “bebemorar” a vida. Discutir e expressar ideias são grandes prazeres, e a escrita tem o dom de dar forma permanente ao que se pensa.

Os comentários estão desativados.