Bar das Letras Paulo Roberto Coelho Ximenes

Evocação à Inspiração Poética

Eu queria tecer uns versos
Que falassem do amanhecer
Do sol risonho, cheio de graça
Correndo as matas do Araripe
Acordando os passarinhos

 

E que tivessem os tais versos
A leveza de um bem-te-vi
A alumbrar a flor-do-mato
E a mansidão de um riacho
Em qual leito – brando ato!
Morre a sede do quati

 

Mas eu preciso é fazer versos
Que alardeiem o desacato
De cada pau que a serra corta
De toda albugem e folha morta
Do fim do mundo à minha porta
De eu não ter mais pra aonde ir

 

Onde estão esses versos
Que incitam o refletir
Velando, talvez, um encanto
Ou a força cega de um pranto
Versos vazados em canto
Como eu nunca escrevi?

Paulo Roberto Coelho Ximenes

Você Também Pode Gostar

Sem Comentários

    Deixe uma Resposta