Altino Farias Bar das Letras

Eu Disse Não!

Já me chamaram para fazer obras públicas e ganhar muito dinheiro. Disseram: “É muito fácil, basta fazer orçamentos de obras com preços (bem) mais altos, dar uns dinheiros ao fiscal e outros tantos ao prefeito. O que sobrar ainda vai ser o suficiente para por uma boa porção no nosso bolso. Isso vai ser a sua independência!”. Mas eu pensei no meu futuro, no meu conceito como profissional e como cidadão, e disse não.

Já me chamaram para entrar na política. Disse-me um deputado: “Você tem boa voz, apresentação e argumento. Junto comigo, com certeza vai ter sucesso na política e vai se fazer na vida”. Mas eu entendi que ia ter que dizer e fazer coisas com as quais não concordo somente para agradar e ganhar votos, então percebi que quando criticasse algum político, estaria criticando a mim mesmo, então  eu disse não.

Já me chamaram para escrever num jornal. Disse-me uma amiga: “Você tem bom texto e é disciplinado. Vai escrever no jornal toda semana!”. A intenção do convite foi boa, sou agradecido, inclusive, mas imaginei que muitas vezes teria que escrever mesmo sem estar com vontade, somente para preencher um espaço de trinta linhas e ter minha foto estampada na página, e, quando lesse o mal escrito, iria pensar: será que fui eu mesmo quem escreveu isso? Então eu disse não.

Já me chamaram para a farra. Disseram: “Tu és bem parecido e jeitoso, vais comer um montão de mulher!”. Mas me perguntei: de que vale transar com um montão de mulher se eu não iria saber os segredos, sonhos e medos de nenhuma delas? Sem nem pensar, disse não.

Já me chamaram para ganhar dinheiro nas costas do meu patrão. Disseram: “Tu me vendes por 100 e eu te pago 120, sendo que vinte é por fora, é teu. Assim vou te comprar muitos mil”. Achei muita coragem desse Fulano me propor algo assim, mas dessa vez eu aceitei. Fiz toda a transação e, na hora de receber o “por fora”, chamei meu patrão e passei-lhe toda a grana na frente do outro cidadão, e assim eu disse não.

Coisa boa é ser livre. Tem gente que confunde, e acha que ser livre é ter dinheiro a qualquer preço, é não ter comprometimento ou compromissos, é poder ser inconveniente a todo momento, é ter opinião e não aceitar a dos outros, é querer ser querido sem ser gente, é não ter hora ou vez.

Enganam-se, estes. Ser livre é ter o saber na mente, a honra imaculada, a coragem no coração, a consciência tranquila, e ter na alma sentimentos nobres. Tenho tentado. De não em não, um dia eu chegou lá.

Você Também Pode Gostar

Sem Comentários

    Deixe uma Resposta