Confissão

Afronto, enfim, a hipocrisia
Tantos anos de disfarces e mentiras
Eu negando o calor maior que vira
Tu – alento meu de cada dia!

Se covarde fui, assim, ao me esconder,
Do desejo vil, afoito e proibido,
Eis-me aqui inteiramente arrependido
Do livre-arbítrio que, insano, fiz morrer.

É como um cão, que me agarro a estas linhas
Estrênuos versos, nus e aquartelados,
Que talvez nem cheirem a jasmim…

Mas te contarão eles, dos meus pecados
Das fantasias mais brejeiras e sem fim!
Dos beijos dependurados nas letras minhas.

Paulo Roberto Coelho Ximenes

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

QUEM ESCREVE

ALTINO FARIAS

Brasileiro, 57 anos, curto carros antigos, boa música, praia e encontros com amigos para “bebemorar” a vida. Discutir e expressar ideias são grandes prazeres, e a escrita tem o dom de dar forma permanente ao que se pensa.

Os comentários estão desativados.