Bar das Letras

Altino Farias

Eng. Civil, editor do semanário virtual Pelos Bares da Vida e do blog opinião em Perspectiva.

Concita Farias

(Poetisa, educadora e estudiosa das ciências religiosas).

Reginaldo Vasconcelos

(jornalista, advogado, cronista, membro da Academia Cearense de Literatura e Jornalismo).

Dennis Vasconcelos

Cearense residente em Maringá (PR), estudou em colégios tradicionais de Fortaleza. Em Maringá em empresário da área de exportação de couros. Tem cinco filhos de seus três casamentos.
Hoje casado Com Cristiane Nalin Vasconcelos, mãe do filho Dennis Nalin Vasconcelos, e amante do campo, dos animais, da vida silvestre e principalmente da boa leitura, seja conto, história, poesia ou crônica.

Dórian Sampaio Filho

(Jornalista, editor, cronista). 

Cristiane Nalin Vasconcelos

Nascida em Maringá-PR, formada em Marketing na Faculdades Maringá e também consultora imobiliária, casada com Dennis Vasconcelos, residente em Maringá (Cidade Canção).

Solange Di Liddo

(Casada, cearense, avó, advogada, com interesse constante em tudo).

Ana Luzia Chaves

(Bibliotecária de formação, arquivista de coração e entusiasmada com tudo que faz).

Karla Karenina

Cearense, atriz, cantora, poetisa, karateca, mãe de Camila (25) e Pedro (13), cadeira 24 da Academia Cearense de Literatura e Jornalismo. Atualmente integra o elenco da novela Morde & Assopra da Rede Globo, aguardando a estréia dos filmes “cilada.com”, “Área Q” e “Cine Holiudy”, e organizando seu próximo livro de poemas.

Paulo Roberto Coelho Ximenes

Engº agrônomo, trabalha no IDACE – Instituto de Desenvolvimento Agrário do Ceará na área de apoio aos assentamentos estaduais.
Tendência literária: poesia, contos e crônicas. Tem a defesa do meio ambiente como uma grande causa.
Naturalidade: Fortaleza, Ceará Nascido em 24/12/1949 Prole: 3 filhos

Carolina R. Menegon

Natural de Maringá – Pr
Residente em Balneário Camboriú -SC
Profissão: Advogada – Formação pelo colégio Marista e PUC – PR
Bar Preferido: qualquer um do Mercado Público de Itajaí -SC
Defeito: Boêmia, Ah… a Boêmia ….

Adriano Pequeno

(49 anos, cearense, advogado e estudioso do judaismo).

Martiniano Bezerra Neto

nascido em Alto Santo,Ceará, no ano de 1946. Viveu no Ceará até os oito anos de idade,período que alternava Alto Santo e Caririaçu, terra de sua mãe e pai,respectivamente.
Migrou para o amazonhas em 1954, formou-se em Ciências contábeis (não mais exerce), é torcedor do bom futebol, mas sem paixão clubística. Assim, admira o Flamengo (RJ), Santos (SP), Nacional (AM) e CEará(CE).
 É butequeiro convicto mundo afora. Gosta de escrever,embora sem qualquer pretensão literária. Adora o Ceará: todo o seu território, sertão, litoral, serra, bem como suas manifestações culturais.
Por fim, é fã ardoroso de Patativa do Assaré, e do paraibano Jessiê Quirino.

Dejoces Baptista Júnior

Dejoces, sessenta e tantos. Brasileiro. Ponta esquerda do juvenil do Flamenguinho da favela Cavalo de Aço,Santíssimo, Rio de Janeiro.
Reprovado em datilografia, esperanto e problemas brasileiros (nunca aprendeu inglês).
Licenciatura em Matemática: professor do Ensino fundamental e médio por VOCAÇÃO. Autodidata: busca nos sebos e butikins a liberdade de ser livre.
Anarquista sexagenário aprendeu a falar javanês.

Romeu Duarte Junior

Arquiteto e urbanista, professor do CAUUFC, escritor, cronista e compositor.

ESTATUTO

01. Fica fundado o “Bar das Letras” aos dois de fevereiro do ano de dois mil e onze.
02. O “Bar da Letras” ficará aberto durante as vinte e quatro horas do dia, os sete dias da semana, incluindo feriados. Portanto, o freguês poderá nele se servir à vontade a qualquer momento que desejar.
03. Neste bar, cada garrafa vem preenchida com letras aleatórias, as quais, a cada dose, vão se organizando de forma harmônica. Ajuntadas com sabedoria, formam palavras certas, que, postas nos lugares certos, dão origem a magníficos textos.
04. Como em qualquer bar, no “Bar das Letras” todos os assuntos estão liberados: política, futebol, cotidiano, sexo, religião, geografia, economia, história e causos, por exemplo. A expressão de opiniões e pensamentos se dará em qualquer estilo escrito como poesias, crônicas, contos e textos de opinião dentre outros.
05. Situando-se o “Bar das Letras” em endereço cibernético, seus fregueses podem ser de qualquer lugar, não importando as distâncias físicas, apenas a vontade de beber letras e embriagar-se com bons textos.
06. Os fregueses são divididos em “provedores”, “colaboradores” e “visitantes”.
07. Os fregueses “provedores” são e encarregados de manter o estoque de textos sempre renovado, diversificado e interessante a todos os outros fregueses.
08. Os fregueses “colaboradores” podem, conforme sua conveniência, enviar trabalhos para auxiliar na manutenção dos estoques.
09. Os fregueses “visitantes” podem entrar no bar para se servirem do que lhes aprouver.
10. Todos podem, no entanto, colaborar a qualquer tempo para manter o estoque sempre bastante interessante para todos os gostos.
11. Aos fregueses “provedores” são reservadas mesas com seis lugares cada, e estes devem ser identificados de forma sucinta para que todos saibam quem são, de onde vieram, e que tipo de letras estarão em suas respectivas garrafas.
12. Aos fregueses colaboradores são reservados lugares no balcão, onde eles podem depositar suas colaborações, sejam elas textos prontos ou simples comentários.
13. O “Bar das Letras” é democrático e liberal por natureza. Homens e mulheres de todas as idades são bem vindos, tendo o mesmo peso no pensar, opinar e expressar. Todos os fregueses têm os mesmos direitos de se servirem à vontade, como também de difundirem suas idéias através de textos próprios ou através de comentários específicos.
14. Ninguém pagará nada a ninguém, a qualquer título. Todos, no entanto, ganharão o que lhes interessa: os “colaboradores” e “provedores”, leitores; os “visitantes”, um estoque completo de  idéias e pensamentos diversos.
15. As portas estão abertas e as prateleiras já parcialmente preenchidas. Venham, embriaguem-se de letras!

DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS

01. Os fregueses “provedores” deverão enviar um texto por mês, pelo menos, sendo mantidos no ar sempre os últimos 06 (seis) enviados. A manutenção de número de textos maior que seis é liberalidade da administração do site.
02. O freguês “provedor” que não enviar um novo texto até o dia 25 (cinco) de cada mês, passará a ocupar lugar no balcão na qualidade de “colaborador” até que volte a ter a freqüência requerida para ocupar um lugar nas mesas.
03. Ao voltar à qualidade de “provedor” o freguês ocupará preferencialmente o mesmo lugar que antes, salvo se este já houver sido ocupado por outro.
04. As atividades do “Bar das Letras” serão iniciadas com apenas duas mesas disponíveis, havendo acréscimo de outras à medida que a administração do site julgar cabível e necessário.
05. Cada mesa somente será ocupada com um mínimo de 04 (quatro) fregueses “provedores”. Caso não haja “provedores” em número suficiente para formar uma nova mesa, estes aguardarão no balcão na qualidade de “colaboradores” a chegada de mais outros até que se tenha o número
mínimo requerido.
05. Os fregueses “colaboradores” se sentarão ao balcão, que tem capacidade para no máximo 10 (dez) lugares, resguardado o direito dos “provedores” ocuparem o balcão, mesmo que lotado em sua capacidade, caso não cumpram seus compromissos temporariamente.
06. O freguês “colaborador” também deverá enviar textos para diversificar o estoque do bar, mas, neste caso, comentários sobre textos alheios contam como material de estoque, e deve haver o envio de pelo menos um (texto próprio ou comentário fundamentado) por mês.
07. Qualquer freguês pode deixar as dependências do bar no momento que desejar, bastando para tal solicitar à administração do site a retirada de seu nome.
08. A administração do bar será gerida pela equipe do site sendo que teremos um bar man e três atendentes, sendo suas posições definidas conforme a administração julgar mais conveniente.
09. Sugestões são aceitas, mas somente serão adotadas caso a administração do site aprove e que sua adoção seja tecnicamente viável.